Brasil é sétimo colocado em ranking global de uso da Internet

De acordo com um levantamento do Pew Research Center, socializar é o principal uso da Internet para a maioria das pessoas. Notícias, informações de saúde, serviços públicos e empregos aparecem em seguida em uma lista que ainda inclui serviços financeiros e compras online.

O Chile se destaca como o país com maior proporção de adultos que usam a rede mundial diariamente (83%). Nessa relação específica, o Brasil aparece em sétimo (75%). Nicarágua e Uganda, ambos com 32% de uso diário pelos adultos, são os últimos da lista.

Entre os pesquisados, 86% dizem usar a rede para se manter em contato com amigos e familiares – sendo que 82% fazem isso através de algum aplicativo, como Facebook, Twitter ou redes sociais locais (a proporção no Brasil é rigorosamente igual à média de 82%).

A busca por notícias aparece como segundo uso, com média de 54%. O Brasil aparece com 58%, mesmo percentual daqueles que costumam usar a rede para obter informações relacionadas à saúde. No geral dos países avaliados, saúde aparece com 46% das respostas para qual o uso da Internet, e 42% buscam informações sobre serviços públicos (47% no Brasil).

Em geral, música e filmes (72%), esportes (56%) e comentários sobre produtos comprados (37%) são os assuntos mais badalados das redes sociais. Política aparece na lanterna (34%). No Brasil, os percentuais são, respectivamente, 80%, 61%, 58% e 33%.

Ainda nos principais usos da rede, a busca por emprego aparece com 35%. Apenas 22% do total dizem usar a Internet para realizar transações financeiras, bancárias. E somente 16% fazem compras online. No Brasil, a preferência é invertida: 31% dizem adquirir produtos pela rede, enquanto 26% fizeram ou receberam pagamentos. Na Polônia (58%) e na China (52%), comprar pela rede é muito mais comum.

Entre a divisão de atividades proposta pela pesquisa do Pew Research Center, a atividade online menos frequente é o estudo. Em geral, somente 13% dos usuários da Internet nos países analisados assistiram a uma aula pela rede ou fizeram algum curso que emite certificado. O índice é maior no Brasil, onde o índice chega a 21%. O destaque é a Colômbia, com 30%.

Os dados da pesquisa podem ser acessados via www.pewresearch.org.

O levantamento foi feito com 32 países classificados emergentes ou em desenvolvimento.

fonte: http://imasters.com.br